Porque lembrar é preciso...

Porque lembrar é preciso...
"Partire è un pó morire", dice l’adagio, ma è meglio partire che morire, aggiunge Carrara. ("Partir é morrer um pouco", diz o adágio, mas é melhor partir do que morrer, retruca Carrara.)

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Família Braido: “filius di Vittorio” (texto de Francisco Braido)

brasão da cidade de Vittorio Veneto

Caro leitor, se você não entendeu e estranhou o título não se preocupe. Quando se inicia um trabalho de pesquisa sobre família, muitas coisas jamais serão entendidas, e devemos somente aceitá-las. Faz parte da história de cada familiar que nunca iremos ou poderemos mudar.
Depois de ler estas linhas, creio que entenderão o título.
Desde 1994 que busco referências sobre meus ascendentes Braido e, entre encontros e desencontros, posso dizer que estou na estaca zero. Porém, entendo que estou no caminho certo, mesmo passados mais de 16 anos de busca.
Quando iniciei a pesquisa, a primeira coisa foi buscar naquela velha caixa de documentos, no guarda-roupa, os "papéis velhos". Isso mesmo, muitos se referem aos documentos como simples papéis. Lá encontrei certidões com as primeiras informações, avós e bisavós. O segundo passo foi procurar a nona, e não é que a coisa fluiu? Pelo menos com um dos ramos de minha família. Quantas saudades da vó Maria Maiochi!
Bem, voltando aos Braidos, sobre eles quase nada, apenas alguns nomes - Jácomo, Francisco e Magdalena. Algum tempo depois apareceram João, Bepe, Maria, Ana (difícil tradução no documento que descrevia uma tal de Ometa), Catarina e outro João.
Procurei meus tios para contarem o que sabiam. Fui agraciado com uma foto amarelada, lá estavam o bisavô Francesco, com o bigode do típico italiano e o chapéu, sua esposa Magdalena e um dos filhos (tio Bepe, nas palavras da minha tia) com a mulher Angela. Quem me deu esta foto já não está mais aqui, e talvez fosse a única pessoa que poderia me ajudar neste quebra-cabeça.
Não satisfeito, fui procurar mais informações na internet. Naquela época, somente alguns sites de buscas, ainda não havia o "são Google". Verifiquei que muitos Braidos eram originários da cidade de Vittorio Veneto. Pensei que o caminho estivesse correto, já que esta cidade pertence à província de Treviso. Este nome já aparecia no documento de óbito do Francisco. No da Magdalena era província de Udine.
No próximo passo fiz um simples cálculo para descobrir uma data provável de nascimento e uma carta dirigida à prefeitura daquele município. Demorou, mas a resposta chegou. Não encontraram nenhum Francesco Braido em Vittorio Veneto.
Busquei novos horizontes de pesquisa, fui até São João da Boa Vista, cidade vizinha no interior paulista. Meu avô Jácomo nasceu lá. Mais de 10 livros de registros sobre a mesa me esperando, passei a tarde na Delegacia Seccional. Encontrei alguns integrantes da família Braido, assim como de outras conhecidas, mas nada que ajudasse. Outras cidades apareceram como referência, tais como Susegana, Codognè, Godega di Sant´Urbano, Treviso, Colle Umberto e tantas outras. Escrevi, e como sempre as respostas voltaram negativas.
Bom, então parti para outra família, os Passoni. Mais surpresas. Se um determinado Carlo Passoni, ao chegar ao Brasil, virou José, e se a família De Ponte virou Nicola, porque o senhor Francesco não poderia ter trocado de nome?
Eu já tinha listas de desembarque de vários Braidos, relacionei todos. O que mais se aproximava daqueles que eu procurava era um Pacífico Braido. Não dei a devida atenção a este imigrante, seria somente mais um registro?
Conversando com minha prima Delma, tomando um café lá no Sá Rosa (é sagrado este bendito ou maldito café), sempre com papel, caneta e calculadora na mão, fui alertado. Pode ser esse quem eu há tanto tempo procuro.
Como não tinha muitos dados, pesquisei os casamentos em determinado período. Não é que encontrei o matrimônio de uma Braido, filha do Francisco? Mas seria Francisco ou Pacífico? Ainda não sei... porém havia uma referência importante. Obviamente, o sobrenome estava errado, me deparei com uma Braz e não Braido. Grafia errada, mas pequena, perto do que já encontrei por aí. O que eu procurava estava lá. Animado, investi novamente.
Não tenho uma resposta definitiva ainda sobre a cidade de origem de minha família, ou mesmo sobre minha família, mas estou chegando lá.
De Francisco para Pacífico é um pulo. Se for, posso encerrar este pequeno e "trabalhoso ofício" certo que somos fiilius di Vittorio, ou se preferirem, num tom abrasileirado, os filhos de Vittorio Veneto.
É um mérito ser filho de Vittorio? Não, o mérito é encontrar suas raízes e respeitar aqueles que saíram de sua pátria para fazer em outra nação sua vida. Construir a outra história, a nossa história!

14 comentários:

  1. Chico, desanima não... ainda vamos desvendar os mistérios dos braido, dos deponti... antonios, francescos e pacíficos que se escondem naqueles documentos antigos que a gente tá aprendendo a manusear..

    ResponderExcluir
  2. oi Chico, continue procurando que um dia voce acha viu. Espero sinceramente que sua familia seja realmente Braido (voce viu o que aconteceu com a nossa, estamos praticamente orfãos) Bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá sou bisneta de Alfredo Braido nascido em 1903, chegou aqui ainda bebe, filho de Celestina De Nadai e GIUSEPPE BRAIDO, talvez você tenha documentos deles. pois vieram para o Brasil nestes navios. Boa sorte. conta angela.ap.contiliane@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. Ola parente distante! Minha familia por parte de mae eh Braido, e aqui esta a informacao que temos sobre o nosso antepassado que veio da Italia:

    Giovanni Francesco Braido
    Local de Nascimento: Colle Umberto, Treviso, Italia
    Data de Nascimento: 16 de Dezembro de 1855

    Sera que essa informacao te ajuda em alguma coisa? Tambem gostaria de saber mais sobre meus antepassados, mas essa eh uma tarefa tao dificil! Se vc quiser saber os nomes dos descendentes do Sr. Giovanni Francesco Braido, por favor me escreva no email abaixo. Um abraco e boa sorte!

    Claudia P. Sechler
    claudiapiaia@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudia;
      Sou Celso José Salomão. Meus antepassados vieram de Colle Umberto em 1880.Ja consegui localizar a Certidão de Casamento de meu bisavô Pietro Salomon e Catterina BET, mas não consigo a certidão de nascimento. Mandaram-me buscar nas Parrocchias de Colle Umberto e San Martino, mas até agora não conseguiram nada. Como Você conseguiu localizar esses dados.
      Email: cejosalomao@hotmail.com

      Excluir
  5. Procure A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, também conhecidos como mórmons. Contam com Centros de História da Família, com os mais vastos arquivos de genealogia e tenho certeza de que poderão auxiliá-lo em sua busca.

    ResponderExcluir
  6. Olá meu nome é Angela Contiliani, sou bisneta de Alfredo Braido que foi casado com Teresa Viana, no Parana, minha avó se chamava Maria Braido e meu avô João Bernardinelli,minha mãe Santa Bernardinelli e meu pai João de Souza...fico feliz de saber que temos parentes por todo Brasil...boa sorte na sua busca...abraço!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Angela, sou Leocádio braido.filho de Izidoro Braido, que foi casado com Herminia Bortolo,meu pai é Irmão de Alfredo Braido se bisavô, resido emCatanduva-sp. Meu pai é filho de Celestina Denadai que se casou com José Braido.

      Excluir
    2. Olá, sou Jonathas Braido, e por coincidência meu pai também se chamava Leocádio Braido. Sou neto de Alfredo Braido, casado com Luiza Boiate. Meu nasceu em Olímpia - SP e depois meu avô se mudou para Maringá - PR onde foi pioneiro e aqui residimos até hoje.

      Excluir
  7. Sou neto de Giovanni Braido, filho de Pietro Braido. Ele nasceu em Refrontolo, província de Treviso. O meu tio avô Vitório Braido nasceu em Susegana, também localizado na Província de Treviso. Uma fonte bastante confiável são os assentos da Igreja Católica, principalmente a certidão de batismo. Foi por ela que descobri que meu avô nasceu em Refrontolo e se chamava Braido Giovanni. Nas certidões de nascimento e casamento existentes no Brasil constava o nome de João Braido, natural de Treviso. E como a província de Treviso tem como capital a cidade de Treviso, imagine a confusão. Sou Moacir Braido da Silva, residente em Barretos e lhe desejo sorte na sua procura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Moacir,
      Sou bisneta de Theresa Braido, filha de Pietro Braido. Estou começando as buscas da nossa familia e pelo seu relato, somos parentes e gostaria de falar com vc.
      Poderia entrar em contato comigo, por favor?
      E-mail: josysilvamattos@gmail.com
      Muito obrigada.

      Excluir
  8. Dr. Moacir, boa noite! Agradeço seu comentário no Blog. Talvez você não se lembre, mas nos conhecemos em Poços de Caldas, no casamento da Adely Zerbinatti e Raphael Kozikoski. Na ocasião, o Valério Braido também estava presente. Eu tenho um material de sua família, gentilmente fornecido por Ernna Gnann Braido. Creio que o senhor solicitou uma pesquisa. Na época, cheguei a ligar para sua sua casa e, quem me atendeu foi sua esposa. Em algum momento da história, nossa família se aproxima. Sou Francisco Braido, residente em Poços de Caldas. Minha família é de Colle Umberto, na Província de Treviso. Somos vizinhos lá e aqui. Mais uma vez, obrigado e um abraço. Quando puder, faça-nos uma visita. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Francisco,
      Parece que vc tem informações sobre minha família também. Pietro Braido e Carlotta.
      Será que podemos conversar? Sou de Mogi Guaçu/SP.
      Meu e-mail: josysilvamattos@gmail.com.
      Obrigada!
      Josiane

      Excluir